4 de Março, 2024
Edit Content
COP28 – Microbiologistas pressionam por um lugar na mesa de política climática
CiênciaEventosInternacional
Na grande cimeira climática desta semana e mais além, os cientistas estão a fazer campanha para que os micróbios sejam incluídos nos modelos e soluções climáticas.

Os microbiologistas têm mais dificuldade em fazer com que as pessoas se preocupem com os efeitos do clima nos diminutos organismos que estudam. “Ninguém pensa em micróbios, porque não podemos vê-los”, diz Shady Amin, que estuda microbiomas marinhos na Universidade de Nova Iorque, Abu Dhabi. Amin é um dos vários microbiologistas que tentam chamar mais atenção para o papel que estes pequenos mas poderosos organismos desempenham nas alterações climáticas. Ele defenderá sua posição na 28ª Conferência Anual das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28), 

 Os microrganismos são a base de todas as cadeias alimentares mundiais e as suas respostas às alterações climáticas terão amplas implicações para a biodiversidade, as pescas e a agricultura. Também produzem e absorvem metano, dióxido de carbono e óxido nitroso em escalas tremendas – de modo que, quando se trata de controlar as emissões globais, podem ser amigos ou inimigos.

Apesar destas importantes contribuições, os micróbios não estão representados nos modelos climáticos e os microbiologistas não têm lugar à mesa da ciência climática e de eventos políticos como a COP28. Físicos, químicos e cientistas atmosféricos têm conduzido estas discussões, aconselhando os decisores políticos e pesquisando e redigindo relatórios climáticos que definem a agenda, como os publicados pelo Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC) .

Isso se deve em parte a razões históricas, diz Lisa Stein, microbiologista ambiental da Universidade de Alberta, em Edmonton, Canadá. Foram principalmente esses outros cientistas que estudaram e modelaram as mudanças climáticas. Os microbiologistas não estavam presentes quando os relatórios do IPCC estavam a ser escritos e, diz ela, “não nos voluntariámos”.

Microbiologistas avançam

Isso agora está mudando. Os membros da Sociedade Americana de Microbiologia (ASM), da Sociedade Internacional de Ecologia Microbiana (ISME) e de outras organizações nesta área estão a espalhar a palavra aos decisores políticos nos seus países de origem, e as sociedades estão a planear enviar delegações coordenadas para a grande conferência do próximo ano. cimeira do clima — COP29, cujo local ainda não foi anunciado. Entretanto, alguns microbiologistas estão a lançar as bases para essas interacções na reunião deste ano.

A cientista marinha Raquel Peixoto está presente na COP28, em representação da International Coral Reef Society (ICRS) e do ISME, da qual é vice-presidente. Ela diz que as influências humanas, desde as alterações climáticas à poluição, estão “alterando o microbioma de diferentes ecossistemas e organismos de uma forma que é patogénica para nós e para o planeta”. Ela quer que outros cientistas e legisladores saibam que os micróbios também podem ajudar. Por exemplo, na Universidade de Ciência e Tecnologia King Abdullah, em Thuwal, na Arábia Saudita, ela estuda probióticos – cocktails de micróbios que podem neutralizar produtos químicos nocivos – que poderiam ser adicionados aos recifes de coral para reduzir o branqueamento, um efeito secundário comum do aumento das temperaturas. Intervenções como estas poderiam ser “um remédio para ganhar tempo”, diz ela.

Peixoto é o chefe da delegação do ICRS, que ocupará um ‘pavilhão’ ou espaço de eventos dedicado, na COP28 para sediar eventos e palestras, incluindo uma sessão focada em formas de salvar os recifes de coral.

Embora não esteja presente na cimeira, Stein está a pressionar os cientistas para que prestem mais atenção ao papel dos micróbios na produção e consumo de metano, um poderoso gás com efeito de estufa de curta duração, responsável por cerca de um terço do aquecimento global. Os micróbios não estão envolvidos nas emissões de metano relacionadas com a utilização de combustíveis fósseis, mas participam noutras emissões relacionadas com o homem. Organismos chamados archaea que vivem nas entranhas das vacas produzem metano quando ajudam os animais a digerir os alimentos, e micróbios que vivem em arrozais, pilhas de esterco e aterros sanitários também geram o gás. Stein faz parte de um comitê convocado pelas Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina dos EUA que fará recomendações no próximo ano sobre quais pesquisas financiar para encontrar soluções de remoção de metano.

Jay Lennon, biólogo da Universidade de Indiana em Bloomington e líder dos esforços climáticos da ASM, diz que os micróbios podem ajudar-nos a controlar as emissões de metano. No dia 15 de novembro, a sociedade publicou um relatório que sugere muitas soluções científicas possíveis. Os microbiologistas poderiam desenvolver micróbios comedores de metano para adicionar ao estrume, ou poderiam modificar o microbioma do intestino da vaca para que produzisse menos gás, por exemplo.

Além de publicar relatórios, diz Lennon, a sociedade está a intensificar os seus esforços de lobby, visitando membros do Congresso dos EUA para discutir o valor económico dos serviços ecossistémicos fornecidos pelos micróbios. Por exemplo, se os micróbios do solo forem comprometidos pelas alterações climáticas, a humanidade necessitará de intervenções dispendiosas para manter a fertilidade das terras agrícolas, diz ele.

Micróbios no núcleo

O principal objetivo de Amin na COP28 é difundir a consciência sobre o papel central dos micróbios marinhos na manutenção do ciclo de carbono e da biodiversidade do oceano. Ele falará em dois painéis, nos quais explicará que as mudanças no oceano induzidas pelo clima significam que sua camada superior está ficando mais rasa – diminuindo o habitat de pequenos organismos fotossintéticos chamados fitoplâncton. Estas criaturas absorvem cerca de 10 mil milhões de toneladas de carbono todos os anos. E os organismos que os comem acabam morrendo e afundando no mar, levando consigo uma porção substancial desse carbono. Mas se as populações de fitoplâncton diminuirem, o ciclo do carbono e as cadeias alimentares dos oceanos poderão ser prejudicados. “Teremos grandes problemas”, diz Amin.

A principal mensagem dos microbiologistas, diz Lennon, é que a humanidade precisa de trabalhar com estes organismos invisíveis e poderosos – e que outros cientistas que estudam o clima precisam de trabalhar com pessoas como ele. “Quando as pessoas falam sobre a mitigação das alterações climáticas, deveriam incluir um microbiologista”, diz ele.

COP é a sigla em inglês para Conferência das Partes. Trata-se do encontro anual dos 198 países que compõem a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCC, na sigla em inglês), e esta é a sua 28ª edição.

Fonte: Nature Journal

Deixa o seu comentário