5 de Março, 2024
Edit Content
É possível identificar uma pessoa autista pelo rosto? Especialista explica
Fabiano Abreu

O autismo é uma condição neurobiológica que afeta a interação social, comunicação e comportamento. Cada vez mais têm aumentado a procura por informações de qualidade sobre o tema, o que também faz surgir diversas dúvidas, por exemplo, sobre a forma de identificar a condição e o papel dos traços faciais nesse processo, como explica o Pós PhD em neurociências e membro da Royal Society of Biology no Reino Unido, Dr. Fabiano de Abreu Agrela.

“Pessoas com autismo possuem diversas características específicas que ajudam na sua identificação, apesar de alguns traços faciais fazerem parte deste escopo, eles nunca devem ser a base de um diagnóstico”, ressalta.

Características faciais de uma pessoa com autismo

De acordo com o Dr. Fabiano de Abreu, existem alguns traços marcantes que ajudam a identificar autistas.

Existem algumas características que podem indicar a presença do autismo como, por exemplo, uma boca mais larga e uma face média mais plana do que indivíduos neurotípicos. Além disso, eles também possuem o sulco entre o nariz e o lábio superior mais curto, olhos e uma face superior mais larga“.

Vale reforçar que esses traços não são universais e funcionam como características complementares no diagnóstico da condição“, afirma.

Por que autistas têm traços faciais diferentes?

As diferenças na face de pessoas autistas podem ter relação com a formação cerebral, explica Dr. Fabiano de Abreu.

Essas diferenças entre a face de autistas e pessoas neurotípicas ainda não são totalmente explicadas, mas uma das teorias mais fortes é sobre a influência da formação cerebral ainda no útero pois durante a gestação, a face e o cérebro se desenvolvem simultaneamente com muitas interações entre si“.

Outras características importantes no diagnóstico

As características físicas também são muito importantes para o diagnóstico do autismo, confira as principais:

– Tendência a andar sobre os dedos dos pés;

– Movimentos incomuns durante a marcha;

– Dificuldade de equilíbrio e coordenação;

– Hipersensibilidade a ruídos altos ou certas texturas;

– Dificuldades na prática de atividades físicas ou esportes.

Sobre Dr. Fabiano de Abreu Agrela

Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues MRSB é Pós PhD em Neurociências eleito membro da Sigma Xi, membro da Society for Neuroscience nos Estados Unidos , membro da Royal Society of Biology no Reino Unido e da APA – American Philosophical Association também nos Estados Unidos. Mestre em Psicologia, Licenciado em Biologia e História; também Tecnólogo em Antropologia e filosofia com várias formações nacionais e internacionais em Neurociências e Neuropsicologia. Membro das sociedades de alto QI Mensa, Intertel, ISPE High IQ Society, Triple Nine Society, ISI-Society, Numerical e  HELLIQ Society High IQ. Autor de mais de 220 artigos científicos e 17 livros.

Deixa o seu comentário