19 de Abril, 2024
Edit Content
Especialista alerta para os principais cuidados sobre a conjuntivite  
Entrevista

Em declarações ao Foco Saúde, esta Segunda-feira, Dra. Rodrina Felgueiras começou por explicar que a conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, que é uma membrana com vasos que reveste a esclera, a camada mais externa e branca do olho.

Os principais sintomas da conjuntivite são o olho vermelho, secreção ou ramela, lagrimejo, sensação de areia, dor, comichão ou prurido, sensibilidade à luz, etc. Em dependência do agente implicado, a conjuntivite pode apresentar-se com um quadro mais leve ou mais exuberante, e nalguns quadros virais com hemorragia conjuntiva, e bacterianos como na conjuntivite gonocócica por Gonorreia com perfuração ocular e perda da visão.

Na sequência, questionada sobre as causas da doença, a especialista disse que as causas da conjuntivite são várias, desde causas alérgicas, microbianas (vírus, bactérias, fungos, parasitas), traumas químicos, físicos e etc. Mas especialmente nos surtos geralmente tem implicações de causas microbiana especificamente viral, que se não tivermos os cuidados necessários pode eventualmente sobrepor-se uma bactéria ou outros gérmenes.

O surgimento da doença como surto, deve-se a uma determinada estirpe de vírus com alta capacidade de transmissibilidade e propagação. Geralmente são estes o Adenovírus ou Enterovírus implicados em surtos virais. Os surtos ocorrem geralmente no verão e propagam-se mais facilmente em locais públicos, onde há aglomeração de pessoas, tais como mercados informais, praias, piscinas, balneários. As medidas de higiene diminuem o risco de propagação.

Em situações normais, o tempo em média de um indivíduo infectado com a conjuntivite pode variar de 3 a 5 dias. Mas o quadro pode durar até 15 dias.

As conjuntivites mal manejadas podem ter consequências desde um quadro leve ou pode complicar-se com outro agente agressivo e levar a complicações como afetação da córnea que podem levar a perda visual.

Métodos de prevenção

Higienização das mãos constantes, evitar tocar nos olhos, evitar beijos no rosto e apertos de mãos, desinfectar maçanetas, evitar aglomerações e contactos directo com portadores da conjuntivite, redobrar os cuidados em transportes públicos e praças.

Opções de Tratamento e formas de aliviar os sintomas

Primeiro procurar ajuda do especialista de Oftalmologia. Não fazer automedicação. Apesar de ser um surto, só o Oftalmologista está verdadeiramente capacitado para diferenciar os possíveis agentes implicados na conjuntivite, e como nem todo olho vermelho é só conjuntivite, o melhor é buscar a ajuda de um profissional capacitado para evitar outras complicações que podem levar até a perda visual por mau manejo.

Medidas de alívio: não colocar gelo! Lavados oculares frescos de água tratada de preferência postos em seringa estéril e não com as mãos. Pensos de água fresca tratada por 5 minutos a cada 4 ou 6 horas. Em dependência do quadro, procurar ajuda profissional.

Para quem sofre de Miopia em dependência da graduação pode ter um par de óculos. E se faz uso de lentes de contacto durante o período que estiver com a conjuntivite deve usar óculos. O uso de óculos é para facilitar a higienização e evitar a proliferação dos gérmenes no olho que eventualmente poderá complicar com úlcera corneal que poderá levar a perfuração ocular.

Os profissionais de oftalmologia podem ajudar no tratamento e prevenção usando colírios de anti-inflamatórios, anti-histamínicos, em dependência do agente nalguns casos mistura de esteroide com antibiótico, lágrimas artificiais e analgesia.

Deixa o seu comentário