15 de Junho, 2024
Edit Content
Jarda: Mais de oito mulheres por dia buscam socorro no Hospital Josina Machel após procedimentos estéticos maus sucedidos
Assistência MédicaNotícia

Mais de oito mulheres por dia recorrem aos serviços do Hospital Josina Machel, em Luanda, vítimas de complicações graves causadas pela aplicação de substâncias químicas para fins estéticos, popularmente conhecida como “jarda”. A informação foi revelada pelo médico cirurgião Renato Palma durante palestra neste sábado, no âmbito do projeto “Meu Padrinho, Meu Mentor”, realizada no distrito urbano do Zango, em Viana.

O especialista, que alertou para o aumento preocupante do fenómeno, sobretudo entre mulheres jovens com idades entre 15 e 35 anos, salientou que os efeitos do uso inadequado dessas substâncias podem ser devastadores, levando à necrose de tecidos e à necessidade de cirurgias complexas para remoção das áreas afetadas.

“Apesar da recuperação ser dolorosa e, em alguns casos, incompleta, os danos causados pela jarda são permanentes”, alertou o Dr. Palma. Segundo o mesmo, a aplicação inadequada de produtos químicos pode levar à apodrecimento das nádegas, exigindo intervenções cirúrgicas extensas para corrigir os danos.

Causas e o Impacto Social

O médico cirurgião aponta a insatisfação com a aparência física e distúrbios de personalidade como os principais fatores que motivam o aumento do número de casos de jarda. Entre os procedimentos mais procurados, estão o preenchimento de glúteos e quadris, além do implante ocular.

As consequências da jarda vão além dos danos físicos, impactando profundamente a saúde mental e a qualidade de vida das mulheres afetadas. O sofrimento emocional e o constrangimento social são frequentes, exigindo acompanhamento psicológico especializado para auxiliar na recuperação.

Conscientização e Prevenção

Diante do cenário preocupante, o Dr. Palma defende a necessidade de medidas urgentes para combater o problema. O médico propõe a criação de um plano de contingência de saúde pelo Ministério da Saúde, que inclua campanhas de sensibilização para alertar a população sobre os riscos e as graves consequências da jarda.

A comunicação aberta e o diálogo entre pais e filhos também são cruciais para prevenir a busca por procedimentos estéticos perigosos. A construção de relações de confiança e o apoio familiar podem ajudar os jovens a desenvolver uma autoestima saudável e evitar a busca por soluções estéticas inadequadas.

O projeto “Meu Padrinho, Meu Mentor”, em parceria com a kudurista Samara Panamera, tem realizado ações de conscientização em todo o país, alertando adolescentes e jovens sobre os perigos da jarda. A iniciativa reforça a importância da educação, do diálogo e do acompanhamento profissional para promover a saúde física e mental da população.

Combater o uso indevido de substâncias químicas para fins estéticos exige um esforço conjunto de autoridades, profissionais de saúde, educadores e da própria comunidade. Através de campanhas informativas, ações educativas e a promoção de valores como a autoestima e a autoaceitação, é possível prevenir casos de jarda e garantir o bem-estar da população.

Foco Saúde//

Deixa o seu comentário