23 de Julho, 2024
Edit Content
Avanço do ano da ciência em 2023 – Science nomeia Medicamentos anti-obesidade
InovaçãoInternacional

A nova vacina contra a malária e os dois primeiros medicamentos que retardam, ainda mais tarde, o declínio cognitivo ligado ao Alzheimer também estão incluído no top 10 do ranking

A Science publica o ranking “Breakthrough of the year 2023”: a descoberta científica do ano são os medicamentos GLP-1, capazes de combater o sobrepeso e a obesidade com eficácia sem precedentes. Mas também para combater o estigma, demonstrando que a obesidade é uma doença, não uma culpa

Vencem na vacina antimalária, na inteligência artificial, no progresso na “caça” ao hidrogénio natural, na descoberta de pegadas humanas no Novo México 5 mil anos antes da hipotética chegada das primeiras populações à América. Vencem por dois motivos: porque são extremamente eficazes para fazer perder peso quem não consegue emagrecer e porque impõem uma mudança de paradigma revolucionária e provavelmente definitiva em relação ao excesso de peso e à obesidade. 

“Estas novas terapias estão a remodelar não só a forma como a obesidade é tratada, mas também como deve ser vista: como uma doença crónica enraizada na biologia, e não como uma simples falha de força de vontade.”, lê-se no artigo da Science .

As outras inovações biomédicas de 2023

A ciência também inclui outras duas inovações biomédicas entre as dez descobertas científicas do ano: a nova vacina contra a malária e os dois primeiros medicamentos que retardam, ainda mais tarde, o declínio cognitivo ligado ao Alzheimer. 

Aprovada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a vacina R21/MatrixM é semelhante à vacina Mosquirix anterior, mas pode ser produzida de forma mais barata e em maiores quantidades. Desenvolvida na Universidade de Oxford, a vacina foi licenciada para o Serum Institute of India, um fabricante líder de vacinas. A empresa afirma que pode produzir 100 milhões de doses por ano a um preço entre 2 e 4 dólares por dose, menos de metade do preço do Mosquirix. Os resultados preliminares de um estudo de fase 3 envolvendo 4.800 crianças em quatro países são promissores: a vacina R21 nos primeiros 18 meses é pelo menos tão eficaz como a sua homóloga e talvez um pouco mais eficaz, embora não tenham sido realizadas comparações directas entre a duas vacinas. A OMS afirma que o R21 deverá estar disponível para uso generalizado em meados de 2024.

Os novos tratamentos contra o Alzheimer, lecanemab e donanemab, estão longe de poder ser definidos como cura, mas sugerem alguns pequenos progressos no sentido da descoberta de uma terapia. O primeiro é um anticorpo monoclonal anti-amilóide que retardou a perda de capacidades cognitivas em 27%, em comparação com o placebo. Este último retardou o declínio cognitivo em até 35% em comparação com o placebo, numa população de pacientes ligeiramente diferente. Ambas as terapias são administradas por via intravenosa.

Deixa o seu comentário