4 de Março, 2024
Edit Content
OMS toma medidas para tornar mais acessível nova vacina contra a malária
InternacionalMalária

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou ontem medidas para tornar a vacina contra a malária R21 mais acessível, dois meses após recomendar o seu uso, para conter a doença em todo o mundo

A OMS anunciou que a vacina R21 vai entrar na sua lista de “vacinas pré-qualificadas”, um requisito para entrar nos programas de distribuição de organizações humanitárias como o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) ou a GAVI Vaccine Alliance.

A malária afeta anualmente cerca de 250 milhões de pacientes em todo o mundo e causa mais de 600 mil mortes.

“A pré-qualificação significará um maior acesso às vacinas, uma ferramenta importante para prevenir casos infantis”, afirmou a OMS, de acordo com um comunicado divulgado hoje pela organização.

A R21 é a segunda vacina recomendada pela OMS contra a malária, depois da RTS,S em 2021, que também entrou na lista de medicamentos pré-qualificados em julho de 2022.

Desenvolvida pela Universidade de Oxford e fabricada pelo Instituto Serológico da Índia, a R21, tal como a RTS,S antes dela, demonstrou em ensaios clínicos ser eficaz na prevenção da malária em crianças.

De acordo com a organização, as mortes por malária diminuíram para metade desde 2000 e a malária desapareceu de várias partes do mundo.

Mais recentemente, porém, os progressos estagnaram e metade da população mundial está em risco de contrair a doença infecciosa.

A malária, também conhecida como paludismo, é uma doença parasitária do sangue, provocada por um parasita do género ‘plasmodium’ que é transmitido através da picada de um mosquito (do género ‘Anopheles’). A doença é endémica em vários países tropicais, sendo potencialmente fatal se não tratada atempadamente.

Fonte: Lusa

Deixa o seu comentário