22 de Julho, 2024
Edit Content
Organização Mundial da Saúde alerta para aumento dos casos de sarampo
InternacionalSaúde

Um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta para um aumento, em 2022, de 18% dos casos de sarampo e de 43% das mortes causadas pela doença a nível mundial, em comparação com 2021. Guerra, desastres climáticos e falta de acesso a vacinas são as principais causas.

No ano passado, registaram-se cerca de nove milhões de casos de sarampo em todo o mundo, que culmiraram em 136 mil mortes, a maioria de crianças. Os dados divulgados, esta quinta-feira, pela OMS e pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em ingês), revelam um aumento de 18 % dos casos e 43% das mortes em relação a 2021.

Os principais motivos para este retrocesso são as guerras, os desastres climáticos e a falta de acesso às vacinas, segundo o epidemiologista da Sociedade Espanhola de Doenças Infecciosas e Microbiologia Clínica Jordi Casabona, citado pelo diário espanhol “El Mundo”.

Em 2022, houve surtos de sarampo em 37 países, mais 15 do que no ano anterior. A região do planeta mais afetada é o continente africano, com 28 surtos, seguida do Mediterrâneo Oriental, com seis. Dois dos surtos registados ocorreram no Sudeste Asiático e um na Europa.

Para o diretor do departamento de Imunização Global da CDC, John Vertefeuille, este aumento é “surpreendente, mas não é inesperado”, devido ao “declínio das taxas de vacinação” nos últimos anos. “Os casos de sarampo em qualquer lugar representam um risco para todos os países e comunidades onde as pessoas estão subvacinadas”, alerta o especialista. É o caso dos países em desenvolvimento, que registam uma taxa de cobertura vacinal de apenas 66%.

Neste contexto, mais de metade dos 22 milhões de crianças que não receberam a primeira dose da vacina contra o sarampo, em 2022, vive em 10 países: Angola, Brasil, República Democrática do Congo, Etiópia, Índia, Indonésia, Madagáscar, Nigéria, Paquistão e Filipinas, avança o “El Mundo”. 

Contudo, Jordi Casabona relembra que o vírus do sarampo também afeta “pessoas mais vulneráveis”, como os idosos, “adultos em que o organismo perde a proteção contra o vírus e pode gerar um problema de saúde significativo”.

Fonte: JN

Deixa o seu comentário