30 de Maio, 2024
Edit Content
Picos na poluição do ar podem aumentar o risco de suicídio
CiênciaInternacional

Altos níveis de partículas podem alterar a química do cérebro. Derrubá-los evitou dezenas de milhares de suicídios na China

Um estudo que combina dados sobre a qualidade do ar e relatórios de suicídio de toda a China confirma observações anteriores de que a forte poluição atmosférica proveniente do tráfego, das fábricas, das centrais eléctricas a carvão e do aquecimento doméstico pode aumentar o risco de suicídio. O estudo, publicado nesta segunda feira, sugere que um plano de batalha chinês para limpar o ar, lançado há uma década, ajudou a prevenir cerca de 45.970 suicídios entre 2013 e 2017.

“É um estudo bem feito”, diz Roger McIntyre, psiquiatra da Universidade de Toronto. É também a primeira investigação que ele conhece que relaciona taxas mais baixas de suicídio à melhoria da qualidade do ar.

Os pesquisadores sabem há muito tempo que a poluição do ar pode prejudicar a saúde física. Infecções respiratórias, doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais e cancro do pulmão resultantes do ar poluído levam a cerca de 7 milhões de mortes prematuras todos os anos, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Ambiente.

Um conjunto crescente de evidências também mostrou um impacto na saúde mental. Estudos neurobiológicos e ambientais em pequena escala sugeriram que picos na concentração de partículas com 2,5 mícrons ou menos de largura, conhecidos como PM2,5, alteram rapidamente a química cerebral e podem causar agressão, perda de controle emocional e incapacidade de lidar com crises. A poluição do ar também tem sido associada à depressão, ansiedade, psicose e distúrbios neurocognitivos, como a demência. Os estudos sugerem que o ar altamente poluído pode levar a um risco elevado de suicídio em 7 dias.

A taxa de suicídio na China diminuiu acentuadamente nas últimas décadas, tal como aconteceu na maioria dos países do mundo. (No entanto, os Estados Unidos, o México e vários outros países registaram um aumento.) Em 2010, ocorreram 10,88 suicídios por 100.000 pessoas na China; em 2021, a taxa caiu para 5,25, de acordo com o Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças.

Tal como noutros lugares, vários factores levaram ao declínio, incluindo a migração das zonas rurais para as urbanas, que na China têm cerca de metade da taxa de suicídio rural; aumentar a prosperidade e aumentar as oportunidades de emprego; e restrições ao acesso a pesticidas, que também se tornaram menos letais. (A ingestão de pesticidas é uma forma comum de morte por suicídio na Ásia rural.)

Ao mesmo tempo, a China melhorou significativamente a qualidade do ar através do Plano de Acção para a Prevenção e Controlo da Poluição Atmosférica de 2013, que incentivou a substituição do carvão por gás natural para aquecimento residencial e comercial, regulamentou as emissões dos veículos, promoveu a energia solar e eólica e estabeleceu metas para a redução poluição do ar ambiente. Aproveitando esta tendência, uma equipa liderada pelos economistas Peng Zhang, da Universidade Chinesa de Hong Kong, Shenzhen, e Tamma Carleton, da Universidade da Califórnia, Santa Bárbara, viu uma oportunidade para esclarecer e quantificar a ligação entre a poluição atmosférica e o suicídio.

Para isolar as PM2,5 de fatores de confusão, como melhorias nas condições sociais, económicas e de saúde, os investigadores identificaram inversões térmicas, fenómenos meteorológicos em que uma camada de ar frio fica perto da superfície da Terra com ar mais quente acima dela. Isto retém os poluentes atmosféricos perto do solo, aumentando a exposição humana mesmo quando não há mudanças nas atividades de emissão de poluição. “Isso nos permite, acreditamos pela primeira vez, isolar o efeito causal da poluição do ar no suicídio”, diz Carleton.

A análise dos números revelou que quase 10% do declínio geral nas taxas de suicídio entre 2013 e 2017 é atribuível à redução da poluição do ar, diz Carleton.

Uma conclusão notável é que as mulheres com mais de 65 anos têm muito mais probabilidades de tirar a própria vida em resposta à poluição atmosférica do que qualquer outro grupo demográfico. “Isto é surpreendente porque as taxas de suicídio masculino excedem as taxas de suicídio feminino em toda a China e na maioria dos países do mundo”, diz Carleton. Por outro lado, observa ela, as taxas de tentativa e conclusão do suicídio entre as mulheres chinesas estão acima das médias globais, para começar, e estudos anteriores sugerem que muitas mulheres chinesas agem por impulso quando tentam o suicídio.

O estudo é “um avanço em relação a estudos anteriores desta associação” entre PM2,5 e suicídio, diz Joseph Hayes, psiquiatra da University College London. “Outro ponto forte importante é a escala – toda a China está incluída”, diz ele. Ainda assim, factores de confusão não podem ser completamente excluídos, diz Hayes. Outros poluentes, como gases tóxicos e partículas maiores, podem aumentar juntamente com as PM2,5, e nem todas as pessoas num país estão expostas ao nível médio de poluição, o que leva a uma menor precisão nos resultados. Ele também se questiona sobre a possibilidade de os suicídios serem mal categorizados devido ao estigma associado.

Carleton e os seus colegas podem abordar estas questões em estudos futuros, diz ela, mas o resultado final é “que o ambiente é um factor crítico na formação do risco de suicídio no país mais populoso do mundo”.

Fonte: Science

Deixa o seu comentário