4 de Março, 2024
Edit Content
O que acontece se a prótese de silicone romper dentro do corpo? Especialista responde
Cirurgia

As próteses de silicone são peças muito importantes na realização de mamoplastias de aumento, para ampliar o tamanho do seio, alterar a sua forma ou até mesmo, em algumas situações, reconstruí-lo.

No entanto, em alguns casos os implantes podem romper-se dentro do corpo da paciente. Entenda melhor o que causa essa situação e o que deve ser feito pelo paciente e cirurgião nestes casos.

Rompimento de próteses gera riscos à saúde do paciente?

Casos onde a prótese de silicone se rompe não são consideradas situações emergenciais extremas pois o corpo produz uma proteção natural ao redor do implante, o que torna o procedimento de troca mais simples, afirma Dr. Bora Kostic.

O corpo produz naturalmente ao redor da prótese uma proteção contra o corpo estranho, uma espécie de cápsula que vai segurar o implante, o que, em casos de rompimento, impede que o silicone vaze, gerando uma proteção natural ao corpo nesses casos“.

Por isso, quando o paciente passa por alguma situação que pode gerar o rompimento, ele pode diagnosticá-lo através de uma ressonância magnética com o seu cirurgião e marca o procedimento de troca de implante, que em geral possui uma realização e recuperação rápidas“.

Ou seja, não é considerado um procedimento de extrema emergência com perigo iminente, mas deve ser programado junto com seu médico, por isso, é essencial guardar a carteirinha de implante para facilitar a identificação de detalhes sobre o implante para direcionar o novo procedimento“, explica Dr. Bora Kostic.

Sobre Dr. Bora Kostic

Dr. Velibor Kostić, conhecido como Bora Kostić, se formou em Medicina na Universidade Federal de Belgrado, na Sérvia, chegando a servir na guerra de 1999. Especializou-se em Cirurgia Plástica no Hospital Geral de Bonsucesso. Fez estágio no Departamento de Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Microcirurgia do Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Rio de Janeiro, revalidou o diploma de Medicina na Universidade Federal de Santa Catarina. Bora é membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e membro ativo da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica e da Sociedade Americana de Cirurgia Estética.

Deixa o seu comentário