15 de Abril, 2024
Edit Content
5 Sinais não óbvios de que o estresse está afetando sua vida
Saúde Mental

Tem passado por momentos stressantes no trabalho ou em casa, mas não sente os clássicos sintomas de stress, como dores de cabeça, ansiedade e tensão muscular? Saiba que existem sinais pouco conhecidos que o corpo nos dá, indicando uma carga excessiva de stress em nossas vidas.

O que é o stress?

De acordo com o médico e endocrinologista Dr. Rodrigo Neves, o estresse é uma resposta natural do corpo perante situações ameaçadoras. “Historicamente, essa resposta desempenhou um papel vital na sobrevivência humana, permitindo que nossos ancestrais enfrentassem perigos iminentes. Quando eles enfrentavam ameaças, como ataques de predadores, seus corpos respondiam rapidamente, preparando-os para lutar contra a ameaça ou fugir dela”, explica Rodrigo.

Essa resposta é guiada por uma interação entre o sistema nervoso e o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal. Quando o cérebro percebe uma ameaça, seja real ou um medo irreal, ele envia um sinal para a glândula adrenal liberar hormônios do estresse na corrente sanguínea. Assim, eles desencadeiam alterações fisiológicas projetadas para aumentar a prontidão para a ação. “A adrenalina aumenta a frequência cardíaca, dilata os vasos sanguíneos e aumenta a disponibilidade de oxigênio para os músculos, preparando o corpo para a ação. Ao mesmo tempo, o cortisol ajuda a regular processos metabólicos, como o açúcar no sangue, para garantir que haja energia suficiente disponível para sustentar a resposta ao estresse”, acrescenta Neves.

No entanto, hoje em dia, embora enfrentemos menos ameaças físicas, o mesmo mecanismo de resposta ao estresse ainda está presente em nosso corpo e pode ser desencadeado por uma variedade de estímulos, como prazos apertados, problemas financeiros ou conflitos interpessoais. Infelizmente, o estresse crônico e a constante ativação do sistema de “lutar ou correr” podem ter consequências negativas para a saúde, incluindo aumento do risco de doenças cardiovasculares e distúrbios mentais, como ansiedade e depressão. O endocrinologista alerta que além de sintomas clássicos como dores de cabeça e ansiedade, há outros sintomas para vigiar. 
Vamos explorar cinco desses sinais não óbvios que merecem atenção especial:

1. Sono desregulado

O estresse crônico pode desencadear uma série de distúrbios do sono, incluindo insônia, sono fragmentado e pesadelos frequentes. “Isso porque o aumento dos níveis de cortisol no organismo pode interferir nos padrões naturais de sono, prejudicando a qualidade e a quantidade do descanso. Além disso, o estresse emocional pode levar a pensamentos ansiosos e preocupações que dificultam o relaxamento necessário para adormecer e permanecer dormindo. É comum que uma pessoa stressada acorde diversas vezes durante a noite”, afirma o especialista.

2. Hábitos alimentares

Quando estamos sob stress, tendemos a recorrer a comportamentos alimentares inadequados, como comer rapidamente e mastigar pouco. Em situação de estresse crónico, é comum haver impaciência e necessidade de terminar rapidamente as refeições. Esses hábitos podem levar a problemas digestivos, como indigestão e azia, piorando ainda mais o humor. O estresse também pode alterar os níveis de hormônios relacionados à fome, como a grelina e a leptina, aumentando o desejo por alimentos ricos em gordura e açúcar.

3. Bruxismo e rigidez na mandíbula

Segundo Rodrigo, o bruxismo, ou ranger dos dentes, é uma resposta comum ao estresse emocional e pode ocorrer durante o dia ou à noite. A tensão muscular associada ao bruxismo pode levar a dores de cabeça tensionais, dor na mandíbula e problemas na articulação temporomandibular (ATM). Além disso, o apertamento dos dentes pode resultar em desgaste do esmalte dentário e danos aos tecidos moles da boca.

4. Baixa libido

O estresse crônico pode afetar negativamente a função sexual, reduzindo a libido e prejudicando a resposta perante os estímulos. Isso ocorre porque o aumento dos níveis de cortisol pode interferir na produção de hormônios sexuais, como a testosterona, que desempenham um papel fundamental no desejo e no desempenho sexual. Além disso, o stress emocional pode diminuir o interesse e a excitação, tornando mais difícil para indivíduos estressados se conectarem intimamente com os seus parceiros.

5. Problemas de concentração e memória

O estresse crônico é associado a déficits cognitivos, incluindo dificuldades de concentração, atenção e memória. “O aumento dos níveis de cortisol pode interferir na função do hipocampo, uma região do cérebro responsável pela consolidação da memória. Além disso, o estresse prolongado pode levar à atrofia da região, reduzindo sua capacidade de formar novas memórias e recuperar informações armazenadas. Esses problemas de cognição podem impactar negativamente o desempenho no trabalho, nos estudos e nas atividades diárias, aumentando ainda mais o stress e criando um ciclo prejudicial”, alerta o endocrinologista.

Se você está experimentando esses sintomas, busque imediatamente um profissional de saúde, como um psicólogo, para desenvolver estratégias de enfrentamento saudável do estresse e promover um estilo de vida mais equilibrado. Priorizar o autocuidado e adotar medidas para reduzir o estresse são passos importantes para manter o bem-estar físico e emocional.

Sobre Dr. Rodrigo Neves

Médico com formação em Medicina, pós-graduação em Endocrinologia e 12 certificados em Nutrologia na Abran. Além disso, é um Practitioner e Master Practitioner em Programação Neurolinguística, dominando a arte da comunicação eficaz e é membro da A4M, demonstrando seu compromisso com abordagens inovadoras para o envelhecimento saudável. Sua vasta expertise e comprometimento fazem dele uma referência respeitada na medicina e na Nutrologia.

Deixa o seu comentário