19 de Abril, 2024
Edit Content
Cooperação com Brasil e Japão promove parto seguro na Huíla e Huambo
AngolaAssistência MédicaNotícia

Dezanove unidades sanitárias da Huíla e do Huambo estão a prestar melhores serviços à mulher grávida e aos recém-nascidos, com base numa parceria com o hospital Sofia Feldman do Brasil e a Cooperação de Cuidados Primários de Saúde do Japão, soube hoje, segunda-feira, a ANGOP.

O programa tem uma duração de quatro anos e foi rubricado em Setembro de 2023, entre o governo de Angola e os ministérios da Saúde do Japão e do Brasil, com visa garantir mais a qualidade das consultas pré-natal e garantir um parto seguro em hospitais.

Em declarações hoje, segunda-feira, à ANGOP, o assessor-chefe da Cooperação Japonesa para a execução de projectos de humanização em saúde, Toro Sadamori, que visita à Huíla, afirmou que a implementação abrange nove municípios da província do Huambo e igual número da Huíla.

Fez saber que no caso da Huíla, foram identificados quatro unidades sanitárias do Lubango, duas da Matala e três da Cacula, que estão a ser equipadas com materiais básicos de consulta e observação, no intuito de promover “bons” indicadores dos cuidados primários de saúde.

O objectivo, segundo a fonte, é reforçar a humanização do parto com os governos brasileiros e japoneses na actuação, bem como reforçar o planeamento familiar e dar solução com ferramentas “indispensáveis”, isto é, fazendo, igualmente, a advocacia com especialistas da saúde para favorecer a intenção.

Referiu que um dos desafios que está a ser alcançado é a melhoria do parto, porque até hoje muitas mulheres angolanas ainda fazem partos em casa, o que acarreta riscos, daí a importância dessa acção de melhoria da assistência em hospitais, o que é um incentivo pela busca da assistência especializada, “mais segura e confortável”.

Na mesma senda, o director do gabinete provincial da saúde da Huíla, Paulo Luvangamo, disse ser um projecto de “extrema importância”, dado o impacto que proporciona às políticas de cuidados primários de saúde às mulheres.

Lembrou que a falta de informação sobre a necessidade de ter bebés numa unidade sanitária com equipamentos adequados, é uma situação que acarreta vários riscos às mães e às crianças.

Lembrou que só em 2023 a Huíla registou um total de 42 mil partos, 70 por cento deles foram feitos por parteiras tradicionais, ao domicílio.

Reforçou que o projecto da humanização dos cuidados primários de saúde traz um impacto positivo da assistência à mulher e ao recém-nascido.

Fonte: Angop

Deixa o seu comentário