19 de Abril, 2024
Edit Content
Coreia do Sul enviará médicos militares a hospitais em meio a protestos de médicos
InternacionalNotícia

A Coreia do Sul enviará os seus médicos militares e comunitários para hospitais nos próximos dias como parte das medidas de emergência para apoiar o sistema de saúde após uma paralisação em massa dos médicos estagiários, disse o primeiro-ministro Han Duck-soo na quarta-feira.

Han também pediu aos jovens médicos que retornem ao trabalho até o prazo de quinta-feira estabelecido pelo governo e disse que as autoridades ouvirão suas preocupações.

“O governo entende perfeitamente que os médicos estagiários têm sérias preocupações com o ambiente de trabalho e a carreira futura, e estamos buscando medidas para melhorar isso de várias perspectivas”, disse ele em reunião do governo.

Dois terços dos residentes e médicos estagiários do país abandonaram o trabalho para protestar contra um plano do governo para aumentar o número de estudantes admitidos na faculdade de medicina, em uma tentativa de resolver o que as autoridades dizem ser uma escassez de médicos.

Os jovens médicos que protestam dizem que o governo deveria primeiro abordar os salários e as condições de trabalho antes de tentar aumentar o número de médicos.

O governo alertou que pode suspender as licenças dos médicos que não cumprirem a ordem de volta ao trabalho.

A partir do próximo mês, os médicos que estão servindo nas forças armadas e em clínicas locais em vez do serviço militar obrigatório serão designados para hospitais afetados pela paralisação, disse Han.

Cerca de 9.000 médicos estagiários se juntaram ao protesto, interrompendo os serviços em grandes hospitais, que foram forçados a recusar alguns pacientes e cancelar cirurgias e procedimentos.

Médicos seniores e médicos privados também se opuseram ao plano do governo de aumentar as novas admissões em faculdades de medicina, dizendo que a comunidade médica não foi suficientemente consultada.

O presidente Yoon Suk Yeol disse que o plano, que tem amplo apoio entre os coreanos, não estava em discussão e que não havia justificativa para que os médicos deixassem seus empregos.

Fonte: Reuters

Deixa o seu comentário