15 de Junho, 2024
Edit Content
Mais de mil novos casos de cancro da próstata são registados anualmente em Angola
AngolaNotíciaPatologia

Mais de mil novos casos de cancro da próstata são diagnosticados em Angola anualmente, a maioria em estado avançado e com sintomas graves, alertou a Ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta. A responsável salientou a importância do rastreio precoce através do exame do PSA (análise ao sangue) e do toque rectal, mesmo reconhecendo os tabus que envolvem este último.

As estatísticas angolanas, apesar de proporcionais à população, indicam que a deteção da doença ocorre em fases mais tardias, “só quando têm os sintomas é que as pessoas procuram as unidades sanitárias”, lamentou a Ministra, realçando que nesta altura o cancro já se pode ter espalhado para outras partes do corpo, dificultando a sua remoção.

Apesar das infraestruturas existentes, falta ainda a instalação dos equipamentos necessários para o rastreio do cancro da próstata. A Ministra assegurou que estão a ser feitos investimentos em tecnologia e formação no sector da saúde, com vista à implementação de técnicas cirúrgicas não invasivas, como a rectoscopia.

“A intenção é avançar para a cirurgia robótica, que oferece maior precisão, menor tempo de internamento, melhores resultados e menos complicações a médio e longo prazo, além de evitar disfunção erétil e incontinência”, explicou Sílvia Lutukuta.

Cirurgia Robótica: Vantagens para o Paciente

O palestrante do Centro de Urologia Global Robótica do Instituto Orlando, Kenneth Palmer, reforçou as vantagens da cirurgia robótica para o paciente, destacando o regresso mais rápido à vida normal e os custos reduzidos quando comparados à cirurgia convencional.

“Esta ferramenta tecnológica facilita a localização do cancro da próstata, rins e outros tumores”, afirmou, sublinhando o compromisso do Instituto Orlando em colaborar com Angola na formação de especialistas em cirurgia robótica.

O Workshop sobre Cirurgia Cardíaca, realizado no Complexo Hospitalar de Doenças Cardiopulmonares Cardeal Dom Alexandre do Nascimento, contou com a participação de especialistas angolanos e americanos, visando a troca de experiências e o aprimoramento das técnicas cirúrgicas em Angola.

Foco Saúde//

Deixa o seu comentário