5 de Março, 2024
Edit Content
OMS – Mais de um terço das mulheres experimentam problemas de saúde pós-parto
EstudoInternacionalSaúde feminina
Nova pesquisa lista 32 condições que podem afetar o bem-estar durante meses ou anos após a gravidez; especialistas pedem atenção aos desafios de saúde de longo prazo de mulheres e meninas; lacunas em pesquisas e dados refletem negligência com sofrimento físico e emocional deste grupo.  

Um novo estudo revela que pelo menos 40 milhões de mulheres por ano correm o risco de enfrentar complicações de saúde prolongadas decorrentes do parto.

O levantamento publicado na revista “The Lancet Global Health” no passado dia 7/12, mostra que uma elevada carga de condições pós-natais persiste por meses ou anos. 

Sofrimento físico e emocional

Um dos autores do estudo é o diretor de Saúde Sexual e Reprodutiva e Investigação da Organização Mundial da Saúde, OMS, Pascale Allotey.

Ele disse que “muitas condições pós-parto causam sofrimento considerável na vida quotidiana das mulheres, muito depois do nascimento, tanto emocional como fisicamente, e ainda assim são largamente subestimadas, subreconhecidas e subnotificadas”.

Alguns exemplos são dor durante a relação sexual, dor lombar, incontinência urinária, ansiedade, depressão e infertilidade secundária. Os autores do artigo defendem um maior reconhecimento destes problemas no sistema de saúde.

Cuidados eficazes durante a gravidez e o parto são também um fator preventivo relevante, para detectar riscos e evitar complicações que podem levar a problemas de saúde duradouros após o nascimento. 

Profissionais de saúde qualificados e cuidados obstétricos de emergência oportunos e de qualidade podem ajudar a prevenir a devastadora lesão no parto causada pela fístula obstétrica

Falta de pesquisas e dados

Segundo Pascale Allotey, ao longo das suas vidas, e para além da maternidade, as mulheres precisam de acesso a uma gama de serviços, “para que não só sobrevivam ao parto, mas possam desfrutar de boa saúde e qualidade de vida”.

O estudo indica que, apesar da sua prevalência, estas condições têm sido amplamente negligenciadas na investigação clínica, na prática médica e nas políticas. 

Durante uma revisão da literatura abrangendo os últimos 12 anos, os autores não identificaram nenhuma diretriz recente de alta qualidade para apoiar o tratamento eficaz para 40% das 32 condições prioritárias analisadas.

Os pesquisadores ressaltam que as lacunas de dados também são significativas, pois não houve estudos representativos a nível nacional ou global para qualquer uma das condições identificadas.

Além das causas biomédicas

De acordo com o documento, é necessária uma abordagem holística para reduzir as mortes maternas, concentrando-se não apenas nas suas causas biomédicas imediatas, mas também na complexa interação de condições sociais, econômicas e ambientais mais amplas que afetam a saúde das mulheres.

Dentre elas estão as desigualdades raciais e de gênero, bem como o contexto econômico, a nutrição, o saneamento, os riscos ambientais ou a exposição à violência e aos conflitos. 

A falta de atenção a estas questões fundamentais ajuda a explicar por que razão 121 dos 185 países não conseguiram progredir significativamente na redução das mortes maternas nas últimas duas décadas, afirma o estudo.

Fonte: OMS

Deixa o seu comentário