30 de Maio, 2024
Edit Content
Primeira evidência de danos nanoplásticos em humanos, riscos cardíacos dobram
EstudoInternacional

Os nanoplásticos foram identificados pela primeira vez em placas ateroscleróticas das artérias e, pela primeira vez, os danos à saúde humana foram comprovados com efeitos muito graves.

Isto foi revelado por um estudo concebido e coordenado pela Universidade da Campânia ‘Vanvitelli’, em colaboração com várias instituições.

Publicado no The New England Journal of Medicine, o estudo fornece evidências do perigo dos plásticos: placas “poluídas” são mais inflamadas e causam um aumento de mais de 2 vezes no risco de ataques cardíacos e derrames. O estudo é acompanhado por um editorial que chama a descoberta de “revolucionária”.

O estudo é realizado em colaboração com várias instituições de pesquisa, incluindo Harvard Medical School em Boston, IRCSS Multimedica em Milão, as Universidades de Ancona, Universidade Sapienza de Roma e Salerno, e o IRCSS INRCA Universidade de Ancona. Os resultados demonstram pela primeira vez não só a presença de uma mistura de poluentes nas placas ateroscleróticas, mas acima de tudo comprovam a sua periculosidade, com um risco aumentado de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral em comparação com aqueles com placas “não poluídas”.

A descoberta é descrita como “inovadora” pelo New England Journal of Medicine porque fornece pela primeira vez evidências de que microplásticos e nanoplásticos ingeridos ou inalados estão associados a desfechos de doenças cardiovasculares em humanos, indicando que os plásticos têm custos visíveis cada vez mais altos para a saúde humana e o meio ambiente. No estudo, 257 pessoas com mais de 65 anos foram acompanhadas por 34 meses após a endarterectomia carotídea, um procedimento cirúrgico para remover placas ateroscleróticas que ocluem os vasos, e depois observado em um microscópio eletrônico para avaliar a presença de micro e nanoplásticos.

Os dados mostram quantidades mensuráveis de polietileno (PE) em 58,4% dos casos e de cloreto de polivinila (PVC) em 12,5%. Nesses pacientes, o risco de eventos cardiovasculares como infarto, derrames e mortalidade por todas as causas foi até 2 vezes maior do que naqueles que não acumularam micro e nanoplásticos dentro das placas, cuja presença também foi associada a uma maior inflamação local que torna essas placas de “poluição” mais instáveis e friáveis.

Fonte: ANSA

Deixa o seu comentário