19 de Abril, 2024
Edit Content
Relação entre alto QI e sonolência ao tomar café: uma abordagem neurocientífica
Fabiano Abreu

Um estudo do neurocientista Dr. Fabiano de Abreu Agrela, especialista em comportamento humano e inteligência, revela as nuances da relação entre QI elevado e sonolência após o consumo de café.

A cafeína é um estimulante popularmente conhecido por aumentar a vigília e o foco. No entanto, indivíduos com alto QI podem apresentar uma resposta atípica: a sonolência. Este artigo investiga as bases neurocientíficas desta resposta, explorando o papel da dopamina na cognição, sono e metabolismo da glicose.

Características neurobiológicas de pessoas com alto QI:

  • Receptores de dopamina mais eficientes: Maior sensibilidade à dopamina, levando a melhor desempenho em tarefas cognitivas.
  • Níveis mais altos de dopamina no córtex pré-frontal: Área do cérebro associada ao planejamento, atenção e tomada de decisão.
  • Maior sensibilidade à recompensa: Maior prazer em resposta ao aprendizado e resolução de problemas.

Relação entre dopamina e café:

A cafeína aumenta a produção e modula a atividade da dopamina no cérebro, resultando em:

  • Aumento da motivação: A dopamina aumenta a vontade de agir e iniciar tarefas.
  • Recompensa intensa: A dopamina intensifica a sensação de prazer e recompensa, reforçando comportamentos positivos.
  • Cognição otimizada: A dopamina otimiza a atenção, foco e memória de trabalho.

Dopamina e Sono:

A dopamina também influencia o sono através de:

  • Inibição da norepinefrina: A dopamina inibe a produção de norepinefrina, um neurotransmissor que promove a vigília.
  • Aumento da melatonina: A dopamina aumenta a produção de melatonina, o hormônio do sono.

Dopamina, Glicose e Alto QI:

A dopamina e a glicose estão interligadas:

  • Regulação do açúcar no sangue: A dopamina aumenta a sensibilidade à insulina, regulando os níveis de glicose no sangue.
  • Níveis baixos de dopamina: Podem levar à resistência à insulina e diabetes tipo 2.

Em pessoas com alto QI:

  • Resposta à cafeína mais intensa: Sonolência em vez da vigília devido à maior sensibilidade à dopamina e à glicose.
  • Níveis elevados de dopamina: Hiperatividade mental dificulta o relaxamento necessário para dormir.
  • Consumo rápido de glicose: Processamento mental intenso leva à fadiga e sonolência.

Conclusão:

A resposta atípica à cafeína em indivíduos com alto QI pode ser explicada por características neurobiológicas únicas, como maior sensibilidade à dopamina e à glicose. Mais pesquisas são necessárias para explorar essa relação e desenvolver intervenções personalizadas para otimizar o desempenho e o bem-estar de pessoas com alto QI.

Este estudo contribui para a compreensão da relação complexa entre QI, cafeína e sono, abrindo caminho para novas pesquisas e intervenções.

Dr. Fabiano de Abreu Agrela possui Pós-Doutorado em Neurociências e Mestrado em Ciências da Saúde, concentrando-se em Psicologia e Neurociências. Biólogo especializado em genômica, comportamento humano e inteligência, ele é membro de sociedades como Society for Neuroscience (EUA), Sigma Xi (EUA) e Royal Society of Biology (Reino Unido). Integrante de sociedades de alto QI, incluindo Mensa, Intertel, TNS, ISPE, HELLIQ, IIS e ePiq, Dr. Fabiano é autor de diversos estudos sobre inteligência e criador do conceito Inteligência DWRI, voltado para pessoas de alto QI com cognição bem desenvolvida. Além disso, ele preside a ISI Society, uma sociedade restrita de alto QI, e desenvolveu o primeiro relatório de Inteligência genética, estimando a pontuação de QI com base em dados genéticos.

Referências:

  • Saxe, R., Moran, J. M., Scholz, J., & Gabrieli, J. (2006). Overlapping and non-overlapping brain regions for theory of mind and self-reflection in individual subjects. Social Cognitive and Affective Neuroscience, 1(3), 229–234. https://doi.org/10.1093/scan/nsl034
  • Volkow, N. D., Gur, R. C., Wang, G. J., Fowler, J. S., Moberg, P. J., Ding, Y. S., & Logan, J. (2012). Relationship between intelligence and dopamine D2 receptor availability in healthy volunteers and patients with schizophrenia. Neuropsychopharmacology, 37(7), 1613–1622. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3181932/
  • Volkow, N. D., Wang, G. J., Telang, F., Fowler, J. S., Logan, J., Wong, C., … & Swanson, J. M. (2008). Sleep deprivation decreases binding of [11C] raclopride to dopamine D2/D3 receptors in the human brain. The Journal of Neuroscience, 28(34), 8454–8461. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3630902/
  • Drevets, W. C., Gautier, C., Price, J

Deixa o seu comentário