15 de Junho, 2024
Edit Content
Chefe de fabricante de xarope é preso após morte de crianças
InternacionalNotícia

O chefe e outros três funcionários de uma empresa indonésia cujo xarope para tosse estava ligado à morte de mais de 200 crianças foram condenados à prisão.

Eles receberam sentenças de dois anos de prisão e multaram 1 bilhão de rupias indonésias (US$ 63.056; £ 51.786).

A empresa Afi Farma foi acusada de produzir xaropes para tosse contendo quantidades excessivas de substâncias tóxicas.

O advogado da empresa disse que eles negaram negligência e que a empresa está considerando se vai recorrer.

Os promotores pediam uma pena de prisão de até nove anos para o presidente-executivo da Afi Farma, Arief Prasetya Harahap, e sete anos para os outros réus.

O Ministério Público disse que entre outubro de 2021 e fevereiro de 2022 a empresa recebeu dois lotes de propilenoglicol, que é usado para fazer xarope para tosse.

Esses lotes continham de 96% a 99% de etilenoglicol, disse o promotor. Ambas as substâncias podem ser usadas como aditivos para solventes. Enquanto o propilenoglicol é atóxico e amplamente utilizado em medicamentos, cosméticos e alimentos, o etilenoglicol é tóxico e usado em tintas, canetas e fluido de freio.

A empresa não testou os ingredientes usados no xarope para tosse e, em vez disso, confiou em certificados de qualidade e segurança de seu fornecedor, disseram os promotores.

O advogado de Afi Farma, Samsul Hidayat, disse à BBC que o regulador de medicamentos da Indonésia não exigiu que os fabricantes de medicamentos realizassem testes rigorosos de ingredientes.

O juiz do Tribunal Distrital de Kediri, em Java Oriental, considerou os quatro réus culpados de produzir intencionalmente produtos farmacêuticos que não atendiam aos padrões de segurança.

O caso ocorre no momento em que crescem os esforços em todo o mundo para apertar a supervisão das cadeias de fornecimento de drogas após os envenenamentos.

Desde 2022, mais de 200 crianças indonésias, a maioria com menos de cinco anos, morreram de lesão renal aguda ligada ao xarope para tosse contaminado. Cerca de 100 mortes foram relatadas na Gâmbia e no Uzbequistão.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu alertas sobre seis xaropes para tosse feitos na Índia e na Indonésia.

Deixa o seu comentário