5 de Março, 2024
Edit Content
Como as redes sociais fazem com que viva menos? Estudo revela como cérebro pode alterar percepção de tempo
Fabiano AbreuSaúde Mental

O tempo é o ativo mais precioso. Ele não pode ser acumulado, multiplicado ou acelerado. As 24h por dia e 7 dias por semana valem para todos, com a mesma quantidade de horas, minutos e segundos. No entanto, há um fator que pode alterar completamente a noção de tempo: A percepção temporal.

Já parou para pensar por que, mesmo que a quantidade de tempo seja a mesma, um minuto parece demorar mais quando se espera numa fila tediosa do que quando se assiste um filme de ação? Isso tem que ver com a percepção temporal, ela é a forma como o cérebro interpreta a passagem do tempo e pode fazer com que, para nós, ele pareça mais rápido ou mais devagar.

Esse fenómeno é analisado pelo novo estudo, realizado pelo Pós PhD em neurociências português, Dr. Fabiano de Abreu Agrela, e publicado na revista científica “Caderno Pedagógico”.

A percepção subjetiva da passagem do tempo está relacionada com o nível de atenção do indivíduo. […] Por meio de estudos acerca de doenças neurológicas, como o Parkinson, que afeta a noção de tempo, regiões como o cerebelo, gânglios da base e córtex pré – frontal são apontados como responsáveis por computar a percepção do tempo“.

Atenção seletiva a algo prazeroso causa a sensação de que o tempo passou rapidamente, que se está no momento presente, ou que tal atividade durou poucos minutos quando na verdade se passou horas; isso remete a teoria do Flow, quando se está focado no momento atual e não sobra espaço para se dedicar aos processos mentais da passagem do tempo […] No entanto, atenção a situações tediosas causa o efeito inverso, conferindo a percepção de que a atividade é morosa e lenta. O tédio parece aumentar quando se tem consciência da passagem do próprio tempo“, afirma o estudo.

Redes sociais e a mudança da percepção do tempo

O uso excessivo de redes sociais pode afetar os mecanismos biológicos de percepção temporal e fazer com que “vivamos menos”, afirma o Pós PhD em neurociências, Dr. Fabiano de Abreu Agrela, autor do estudo.

Apesar de os avanços científicos e tecnológicos possibilitaram mais anos de vida para a população em geral, nossa percepção de tempo está cada vez mais curta, o que faz com que, no fim das contas, estejamos vivendo menos“.

O uso excessivo de redes sociais é o principal causador deste tipo de disfunção pois altera neurotransmissores, o que modifica a anatomia cerebral e transforma a percepção temporal e comportamental do indivíduo“.

Para evitar isso é importante controlar o uso de redes sociais e focar mais em atividades dinâmicas e que demandem atenção, sem o uso de aparelhos eletrônicos, reserve também períodos de contemplação da natureza e meditação“, destaca Dr. Fabiano de Abreu Agrela.

Sobre Dr. Fabiano de Abreu Agrela

Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues MRSB é Pós PhD em Neurociências eleito membro da Sigma Xi, membro da Society for Neuroscience nos Estados Unidos , membro da Royal Society of Biology no Reino Unido e da APA – American Philosophical Association também nos Estados Unidos. Mestre em Psicologia, Licenciado em Biologia e História; também Tecnólogo em Antropologia e filosofia com várias formações nacionais e internacionais em Neurociências e Neuropsicologia. Membro das sociedades de alto QI Mensa, Intertel, ISPE High IQ Society, Triple Nine Society, ISI-Society, Numerical e  HELLIQ Society High IQ. Autor de mais de 220 artigos científicos e 17 livros.

Deixa o seu comentário