15 de Abril, 2024
Edit Content
Má qualidade do sono provoca doenças neurodegenerativas
Saúde e Bem-estar

O uso excessivo de aparelhos electrónicos, stress e trabalho exercido por turnos são factores que contribuem para a má qualidade do sono, provocando doenças neurodegenerativas, afirmou esta sexta-feira, em Luanda, a especialista Sheila Gonçalves.

Sublinhou que a privação do sono contribui também para o surgimento de muitas doenças do fórum neuro-psicológico e neurodegenerativa, como a depressão, alzaimer e parkson.

Sheila Gonçalves, especialista em medicina do sono, falava à ANGOP a propósito do Dia Mundial do Sono, assinalado hoje.

A data foi instituída em 2008, por meio de uma iniciativa da Associação Mundial do Sono, no intuito de mostrar à população a importância do sono para a saúde física e mental.

Sheila Gonçalves disse que durante o sono, o cérebro tem a capacidade de promover outras actividades, aumentado a produção do hormônio de crescimento e da prolactina que consolida a memória.

Explicou que o sono é um processo biológico fundamental para o bem da vida das pessoas. Entretanto, avançou que com o passar dos anos e com a evolução das novas tecnologias, as pessoas tendem a dormir menos tempo.

“Ao contrário do que muitas pessoas pensam, as consequências não são poucas e todo esse processo pode influenciar negativamente para o desenvolvimento social e económico dos cidadãos”, garantiu.

Alertou que os excessos impedem a produção dos hormônios necessários durante o dia.

De acordo com a também pneumologista, não é normal um indivíduo ressonar ou fazer algum ruído durante o sono, podendo ser um indicador subjacente do transtorno do sono.

Adiantou que a pessoa que ressona bloqueia o restauro e desempenho das funções do cérebro, daí a necessidade de se ter um sono com qualidade.

Frisou que as crianças dos três aos cinco anos de idade devem ter, diariamente, 13 horas de sono, enquanto dos 6 aos 12 anos precisam de oito a nove horas de sono.

Aos adultos e idosos recomenda-se sete a oito horas de sono.

Exortou a população a evitar consumir alimentos pesados antes de dormir, praticar actividades físicas e ter um sono regular.

A especialista recomendou ainda o controlo do peso, para evitar a obesidade e casos de apneia no sono

Para si, uma das coisas muito negligenciada é a exposição solar e luz durante o dia, que acaba por mexer com a produção da melatonina.

Fonte: Angop

Deixa o seu comentário